Desenvolvido por Levant Consultoria de Marketing

www.levantmkt.com

Avenida Almirante Barroso, 1454 - Marco, Belém - PA

E-mail: sbotpara@gmail.com
Tel: 091 - 3084-3000

SBOT-PA promove Simpósio de Ortopedia Pediátrica

08/10/2018

A SBOT-PARÁ realizou no dia 6 de outubro, no auditório do Hospital Porto Dias, o Simpósio de Ortopedia Pediátrica.

O evento reuniu dezenas de pessoas que tiveram a oportunidade de assistir as palestras dos ortopedistas Dr. Alexandre Lourenço, Dr. Chang Chia Po, e da fisioterapeuta Dra. Vanessa Oliveira.

Dentre os temas abordados pelo Dr. Alexandre Lourenço, destaca-se os casos de crianças que nascem com o chamado Pé Torto Congênito, uma má formação congênita bastante comum, de acordo com o ortopedista. 

 

“A cada mil nascimento, uma criança vai ter pé torto congênito. É mais comum em meninos do que em meninas, e 50% das vezes ele é bilateral. É uma deformidade que muitas vezes é diagnosticada no pré-natal, então desde antes o nascimento a família recebe orientações. Mas o pé torto, se não tiver associada a nenhuma outra alteração, é facilmente tratada com o Método Ponseti”, explicou o ortopedista, Dr. Alexandre Lourenço.

 

As deformidades angulares nos membros inferiores das crianças, também bastante comuns, são corrigidas, em sua maioria, sozinhas conforme o desenvolvimento dos pacientes, conforme explica Dr. Chang. “Tem que se entender que 95% das crianças com perna em X ou em tesoura, que chamamos de Joelho Valgo, vai corrigir sozinho, geralmente até os 6 anos. Muitas vezes não precisa de tratamento. O problema que 5% dos casos podem persistir até a vida adulta. Vale lembrar que essas crianças não podem engordar, pois pode piorar a deformidade”, comentou.

 

A fisioterapeuta, Dra. Vanessa Oliveira, explica que a reabilitação com crianças merece um pouco mais de atenção e paciência, pois muitas não entendem a importância do tratamento.

 

“A chave do sucesso da reabilitação realmente são os pais. Eles primeiro tem que compreender o que a equipe de profissionais precisa, aderir as nossas orientações e ao tratamento, e saber o que fazer com a criança em casa. Porque a criança fica uma hora com os profissionais de reabilitação e fica 23 horas com os pais. Então tudo que a gente fizer na terapia, tem que ser enfatizado no ambiente caseiro”, explicou a especialista.

 

O Simpósio de Ortopedia Pediátrica faz parte do calendário de eventos planejado pela SBOT-PA e é uma forma de divulgar a especialidade entre os estudantes e os residentes em ortopedia, conforme comentou o presidente da SBOT-PA, Dr. Luciano Barboza. “Mais um evento realizado com sucesso pela nossa Regional. Esse simpósio em particular, sobre ortopedia pediátrica, contribui para a divulgação dessa subespecialidade muito importante para todos”.